31 SP_AGOSTO 2017

Arrastão contra o Aedes aegypti em Cruzília

Experiência Exitosa do COSEMS - Cruzília é destaque na luta contra o Aedes aegypti na região.

Eliminar o Aedes aegypti é um desafio de escala continental, mas que depende de ações locais. O mosquito, responsável pela transmissão da zika, dengue e chikungunya depende da água para a sua reprodução. Até mesmo a água deixada em um prato após regar as plantas é suficiente para que o mosquito se reproduza. E é por isso que a solução é encontrar os focos locais e erradicá-los o mais rapidamente possível.

Em 2015 o Município de Cruzília passou por uma alta incidência de dengue, com 144 casos suspeitos notificados. Deste total, 86 casos foram confirmados como dengue, 51 negativos, e 7 foram inconclusivos ou descartados.

Diante desse quadro houve a necessidade de uma ação efetiva para controle da situação. As formas de enfrentamento encontradas foram a criação de um comitê municipal de combate a Dengue, arrastões periódicos e a coleta seletiva, sendo este o primeiro passo dado.

Ao longo do desenvolvimento deste trabalho, percebemos que realmente a "União faz a Força". Com o envolvimento de todos os setores, juntamente com o engajamento e participação efetiva da população, Cruzília conseguiu alcançar bons resultados. Entre os anos de 2015 e 2017 o número de casos suspeitos de dengue foi reduzido para apenas 7, e os casos confirmados para apenas 2.
 

grafico-dengue

 
Atualmente 100% das residências urbanas de Cruzília realizam a coleta seletiva e geram renda para 15 famílias.

Nossa população está mais consciente em relação à dengue e mais ativa no combate ao Aedes aegypti.

Com a união de todos, a nossa cidade está mais limpa!

A secretaria municipal de saúde de Cruzília, Jociane de Lourdes Valim, atribui o sucesso das ações à integração da população e do poder público: “Acreditamos que o sucesso deste projeto deu-se à integração e colaboração entre Poder Público e População. Além de resultados, também plantamos sementes que nos dão a certeza de um futuro mais consciente e sustentável”.

 

Escrito por 
Publicado em Notícias
Lido 1589 vezes
Avalie este item
(0 votos)